domingo, 25 de julho de 2010

Um novo dia

Se eu pudesse lhe dar todos os dias uma poesia,
seria como o sol que beija teu rosto todas as manhãs
saudando lhe para um novo dia.
Essa semana tive algumas surpresas, algumas delas boas outras nem tanto, mais todas serviram para me mostrar o quando estou amadurecendo.
Aprendi a falar NÃO...rs...justo eu, que sempre fazia tudo p/ pessoas.
Não sei se a pessoa gostou de ouvir o meu NÃO, mas não me importa, dessa vez pensei em mim, como eu me sentiria vivendo algo que não me agrada, que não faz parte da minha vida.
Por medo de perder "pessoas" eu já vivi sentimentos sufocados e posso garantir é péssimo viver na própria prisão, me calei diante de situações onde eu queria gritar "NÃO VOU FAZER O QUE ME PEDEM" é durante uma vida, fui vivendo algo que não me pertencia.
Fui aprendendo a inventar meus dias, kit para sobreviventes.
Aonde se aprende frases assim: faça amizade com "fulano" mesmo não gostando do tal fulano ele pode servir p/ alguma coisa, "vc precisa e ter jogo de cintura" ouvia de uns e de outros releve até mesmo as piadinhas sem graça sorria (vc está sendo filmado).
E por trás das cortinas eu fui vendo o jogo a manipulação, era uns falando mal e dos outros e logo depois trocando beijinhos, isso p/ mim chama falsidade.
Até que um dia, eu percebi a vida lá fora, os sorrisos sem interesses, as poucas amizades verdadeiras, fui descobrindo o quê DEUS queria de mim - um simples abra a porta e saia.
Veja o mundo, as cores, as nuvens, brinque na chuva, deixe o vento bangunçar o cabelo, respire ar novo, mesmo que isso signifiquei "estar sozinha"; no fundo sei que não estou só tenho DEUS e minha família.
E sou grata por ter visto o nascer do sol e por todos os momentos que passei.
Hoje descobri que sempre haverá um novo dia!!!!
Que tudo é p/ nossa transformação, nosso crescimento.
Feliz por estar aqui....rs.
Bjs no ♥ (*_*)
pegue a sua no TemplatesdaLua.com

Um comentário:

Rebecca (Flor) disse...

Já tive muitos problemas nessa questão de não saber dizer não...principalmente na convivência de pessoas que diziam-se amigas, foi complicado, mas aprendi com tanta rasteira que levei, a gente aprende.
A gente começa a prestar mais atenção em nós e no que realmente importa.

Muito bom voltar aqui.
bjus Ju